iStock-1304020215-1

Itália quer proteger as marcas que produzem carros de luxo

1 min de leituraSustentabilidade
A Itália negocia com a União Europeia possíveis maneiras de proteger os fabricantes de automóveis de luxo. Em causa estão as novas medidas ambientais que prevêem a proibição de venda de automóveis novos com motor de combustão, o que inclui híbridos, a partir 2035.
Partilhar esta mensagem

A legislação europeia já em vigor prevê um corte de 37,5% dos automóveis a combustão até 2035. A proposta, anunciada em julho, exige que a venda de carros novos poluentes, híbridos incluídos, seja banida a 100%.

Embora o Governo italiano apoie o compromisso da Europa em reduzir as emissões carbónicas, por outro lado procura também proteger as marcas automóveis de luxo. Segundo o ministro Roberto Cingolani, é necessário perceber como as novas regras se aplicariam a fabricantes de automóveis que vendem um número muito reduzido de carros.

A Ferrari, por exemplo, vendeu cerca de 9100 carros em 2020. Já a Lamborghini totalizou apenas 7400 unidades vendidas.

"Existe um nicho no gigantesco mercado dos automóveis e há discussões em andamento com a Comissão Europeia. Estou convencido de que não haverá problema.”

Roberto Cingolani,

Ministro Italiano para a Transição Ecológica

Publicado a 14 de setembro de 2021

14 de setembro de 2021
Partilhar esta mensagem

Artigos relacionados

InovaçãoCityAirbus NextGen: o novo eVtol da Airbus11 outubro 2021 - 1 min de leituraArrowRight
Gestão de frotasO futuro das frotas10 fevereiro 2020 - 7 min de leituraArrowRight
MercadoCampeão de vendas Renault Clio com substituto à vista18 fevereiro 2019 - 1 min de leituraArrowRight