O porquê da demora na entrega de carros e o que fazer

6 min de leituraGestão de frotas
A LeasePlan International e a Roland Berger organizaram um webinar sobre a escassez de semicondutores e o que os gestores de frota podem fazer. Especialistas de ambas as empresas partilharam as suas perceções sobre a situação em geral e o impacto da escassez de semicondutores no setor automóvel.
Partilhar esta mensagem

Gerir uma frota pode ser difícil hoje em dia, com a escassez de chips semicondutores, resultando em prazos de entrega mais longos para carros novos. Com a eletrificação de veículos e as crescentes necessidades da digitalização, criamos uma forma diferente de construir carros. Os carros costumavam ser um dispositivo mecânico, mas o carro de hoje e de amanhã é um dispositivo de dados que funciona à base de um software. Basicamente, um smartphone sobre rodas. Executado por um sistema operacional engenhoso que requer semicondutores (ou chips). Estes permitem a maioria das inovações no desenvolvimento de veículos.

O que podem os gestor de frota fazer?

Antecipe proativamente os atrasos no processo de encomenda

  • Faça a sua encomenda o mais cedo possível: 6 a 9 meses antes
  • Eletrifique a sua frota mais depressa, já que os OEMs dão prioridade a veículos de baixa e zero emissões
  • Avalie qual o equipamento necessário ao solicitar um veículo
  • Considere ampliar o espectro de Marcas / OEMs na política de frota da empresa
  • Encurte a duração da sua política de frota (para que seja mais flexível)

Os prazos de produção continuam a aumentar em 2021

Fique atento às disponibilidades. Isso pode significar que os veículos não corresponderão a todas as expectativas do condutor, mas pelo menos os carros estão a ser produzidos.

  • Os OEMs continuarão a dar prioridade a modelos de baixa e zero emissões

  • Equipamentos opcionais com alto “consumo de chips” terão atrasos mais extensos

  • A disponibilidade do LCV vai melhorar o HY1 2022

  • Aumentos de preços: os preços das matérias-primas estão a subir (aço/alumínio), o que pode levar a aumentos de preços

Quando é que os prazos de entrega voltarão ao normal?

  1. Q4 2021 - aumento da disponibilidade de chips (Taiwan)
  2. Q1-Q2 2022 - OEMs a trabalhar para dar resposta a pedidos elevados
  3. Q3 + 2022 - novas instalações de produção de chips tornam-se operacionais

    por exemplo: fábrica da Bosch em Dresden, Alemanha

  4. Q4 2022 - OEMs progressivamente a atingir prazos de entrega normais
  5. 2023 - Novas instalações de produção de chips entram em operação

    ou seja, Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TMSC)

Qual o motivo desta escassez?

Para entender o cerne da questão, vamos fazer um zoom. Em suma: a escassez é o resultado do cancelamento massivo de pedidos de chips por fabricantes de automóveis quando a procura por carros entrou em colapso, principalmente devido à crise do COVID-19. Como a procura por carros novos recuperou mais rápido do que o esperado, os fabricantes automóveis ficaram para segundo plano devido ao aumento da procura global por chips.

Mas esteja ciente de que os carros representam menos de 1% de todos os dispositivos conectados, o que é uma desvantagem direta para a indústria automóvel.

Tendências de tecnologia, novas arquiteturas eletrónicas e interrupções no fornecimento exigem redefinir a visão da cadeia de fornecimento de semicondutores

A procura de semicondutores na maioria dos mercados finais são impulsionadas por estas tendências digitais globais:

  • 5G Internet of Things (IoT) (consumidor e industrial)
  • Inteligência artificial (IA) / big data
  • Sistemas autônomos
  • Cíber segurança

    Em 2025, haverá mais de 70 bilhões de dispositivos IoT conectados.

Poderíamos ter antecipado esta situação?

Bem ... sim, mas não era tão grave como agora. Na indústria automóvel, do lado da procura, temos:

  • Competição por capacidade com sistema de veículo elétrico/eletrónico de última geração (arquitetura E/E)

  • Efeitos externos que causam uma procura flutuante: provavelmente o mais importante é o Covid

  • Eletrificação de veículos - a quantidade de semicondutores em veículos elétricos está a aumentar

    No lado da oferta temos:

  • Uma procura competitiva e riscos políticos

  • Perturbações de fatores externos, por ex. covid

  • O tempo de ciclo do semicondutor

    Essa lacuna entre a oferta e a procura criou a escassez global de oferta de semicondutores.

    A escassez não é apenas resultado da pandemia, é uma combinação de muitos fatores enfrentados no último ano e meio. Do lado da oferta, houve dificuldades de acesso: o Covid é um grande efeito externo, mas também o foi o bloqueio do canal de Suez ou o congelamento das fábricas do Texas.

    As questões externas não foram o único problema, houve um desencontro na cadeia de fornecimento. Para a indústria automóvel, a cadeia de fornecimento é mais complexa do que parece devido às várias etapas de produção, modelos de negócios e um grande número de empresas na cadeia de valor. Para produzir e enviar um chip semicondutor, demora pelo menos 3 meses, mesmo se houver capacidade suficiente!

    Outro fator complexo é o custo de desenvolvimento. Chips de nó avançados (SoCs) estão a crescer exponencialmente e o reembolso dos elevados custos de desenvolvimento gera a necessidade de grandes volumes. Apenas duas empresas são capazes de produzir chips de nós avançados (e ambas estão na Ásia). Esse é um risco significativo, ao qual os policymakers estão a responder promovendo a relocalização da cadeia de fornecimento de semicondutores.

Localizar a produção de semicondutores

Os Estados Unidos, a União Europeia e a China estão a responder a essa escassez de semicondutores repensando a cadeia de fornecimento e tentando realocar a produção.

Estados Unidos

  • A lei CHIPS fornece US $52 bilhões em subsídios para a produção nacional de semicondutores

  • O Governo dos EUA reavalia controlo de exportação e restrições de importação de semicondutores

União Europeia

  • Investimento de US $145 bilhões da UE em tecnologias de semicondutores

  • Abordagem estruturada para abordar os pontos fracos da Europa no digital

  • Três pilares para a política futura: IA, dados e estratégia industrial - vinculados a diferentes iniciativas / investimentos

China

  • Plano Nacional de Semicondutores para impulsionar a indústria nacional de semicondutores apoiado por um amplo financiamento, por exemplo: fabricado na China, em 2025 - campeões de suporte direto do estado (Huawei)

Como é que os OEMs e Tier-1s estão a responder à escassez?

Na verdade, não existe uma solução única. A escassez durará até 2022 e a perda de produção será sentida globalmente. Devemos estar cientes de que os fatores de risco irão permanecer e reaparecerão. OEMs e Tier-1s (fornecedores de chips que lidam diretamente com OEMs) estão a mitigar a crise em horizontes de tempo de curto, médio e longo prazo. Estas são as respostas estratégicas à crise:

1. Solução imediata; arcar com o risco (próximos 6-12 meses)

  • Transparência da cadeia de fornecimento,
  • Compromissos de volume,
  • Cronogramas de produção flexíveis

2. Mitigação de risco; fonte de risco (próximos 1-3 anos)

  • Gestão avançada de sourcing
  • Equipas e processos dedicados de semicondutores
  • Estratégias de stock

3. Mudança fundamental; design para o risco (próximos 3-10 anos)

  • Padronização de componentes
  • Agrupamento de volume
  • Arquiteturas de E/E de última geração

    Expectamos que os desafios na cadeia de fornecimento de semicondutores automóveis persistam, pelo que os intervenientes do setor automóvel e os Tier-1s devem estar preparados.

    A situação vai continuar, mas no final de contas poderemos voltar aos níveis normais de produção. Mas apenas a partir de 2023.

Oradores

  • Falk Meissner, Roland Berger
  • Thomas Kirschstein, Roland Berger
  • James Patmore, LeasePlan
  • Gavin Eagle, LeasePlan

Glossário

Arquitetura E/E: Arquitetura elétrica e eletrónica do carro para melhorar o desempenho e a segurança do veículo. IoT: Internet das coisas LCV: veículos comerciais ligeiros LEV: veículo de baixa emissão OEM: fabricante do equipamento original - produtor original das peças dos componentes de um veículo Tier 1: Fornecedores de sistema eletrónico que integram tecnologia de chip em módulos e os enviam aos OEMs para montagem. SoCs: Sistema num chip - circuito integrado

Publicado a 10 de setembro de 2021
10 de setembro de 2021
Partilhar esta mensagem

Artigos relacionados

Gestão de frotasEconomia mundial em disrupção. Qual o impacto na gestão de frotas?22 abril - 4 min de leituraArrowRight
Gestão de frotasPasse à frente da fila com a nova área de pedidos do My Fleet02 dezembro 2021 - 2 min de leituraArrowRight
Gestão de frotasQuando a gestão da frota se torna complexa25 fevereiro 2020 - 3 min de leituraArrowRight