De que forma a escassez de semicondutores está a afetar as entregas de veículos

4 min de leituraGestão de frotas
Conforme a procura de novos veículos começa a recuperar, uma escassez mundial nos componentes necessários para construí-los, provavelmente, interromperá as entregas na maior parte de 2021. Deixamos aqui o essencial do que precisa de saber.
Partilhar esta mensagem

O que é um semicondutor e como são aplicados nos veículos?

Os semicondutores são a base dos chips de memória e processador encontrados em quase todos os dispositivos eletrónicos, e o mercado global está a crescer rapidamente. De acordo com a Semiconductor Industry Association (SIA), as vendas globais alcançaram US $439 bilhões em 2020 [1], o que significa que mais do que duplicou de valor nos últimos 20 anos [2].

A indústria automóvel depende de semicondutores, como um facilitador de algumas das maiores tendências em veículos novos. Sistemas de infoentretenimento conectados, sensores para funções de segurança e assistência e eletrónica de potência para sistemas de transmissão elétricos e híbridos, todos o exigem. Segundo a Deloitte, a eletrónica será responsável por metade do custo de um veículo novo, até 2030 [3]. Os semicondutores, por si, devem chegar a US $600 por veículo, em comparação com US $312, em 2013.

Qual o motivo da escassez global de semicondutores?

O início da pandemia Covid-19 causou uma tempestade perfeita para a indústria automóvel. No auge, as restrições para controlar o vírus interromperam a produção em 90% das fábricas de veículos e componentes na China, América do Norte e Europa [4]. Juntamente com o encerramento de concessionários, os registros europeus caíram quase para metade durante os primeiros seis meses do ano [5].

Por sua vez, as fábricas reduziram fortemente a compra de semicondutores, da mesma forma que aumentou a procura por computadores domésticos, jogos e produtos de saúde. Quando os fabricantes de semicondutores reiniciaram a produção, o volume era reduzido e já tinha sido encaminhado para fazer face a outras necessidades [6], levando a restrições de abastecimento, uma vez que os mercados automóveis aumentaram no terceiro trimestre do ano [7]. A procura por tecnologia dependente de semicondutores está a aumentar, mas a oferta tem tido dificuldades em acompanhar.

Para agravar o problema, apenas cinco fabricantes de semicondutores abastecem a indústria automóvel e dois deles - NXP [8] e Infineon Technologies [9] - tiveram que suspender a produção nas suas instalações, no Texas, durante as tempestades de inverno, em fevereiro. Também não há soluções rápidas - a SIA prevê um prazo de entrega de até 26 semanas para as fábricas de semicondutores entregarem os pedidos aos clientes [10].

Como é que a falta de semicondutores afetará as entregas de veículos?

A cadeia de abastecimentos automóvel é hierarquizada e os semicondutores são um componente dentro de um subsistema do veículo - como um display, um sistema de infoentretenimento ou um sensor. Na melhor das hipóteses, uma falta pode fazer com que alguns níveis de acabamento ou equipamentos opcionais fiquem indisponíveis. Na pior das hipóteses, pode paralisar a produção de uma linha inteira de modelos. É um desafio particular para uma indústria que tende a não ter muito stock.

A AutoForecast Solutions está a projetar que a escassez de semicondutores reduzirá a produção de veículos em 202.000 unidades durante 2021, e um quarto desse volume perdido será na Europa [11]. A associação da indústria europeia ACEA espera que as restrições de oferta permaneçam até o terceiro trimestre de 2021, resultando em volumes de produção "consideravelmente mais baixos" e entregas adiadas para o resto do ano [12]. Isso também está a acontecer à medida que as medidas de distanciamento social afetam o quadro de colaboradores nas fábricas em toda a cadeia de abastecimento.

As previsões dos fabricantes diferem. A Ford espera uma redução de 10-20% na produção do primeiro trimestre [13], enquanto a Volkswagen diz que afeta veículos na plataforma MQB [14], que é amplamente usada em toda a sua gama de modelos. A Nissan [15] e a Honda [16] fizeram uma pausa na produção, no Reino Unido, citando desafios de abastecimento, enquanto a Daimler [17] prevê cautelosamente que pode compensar o volume perdido no primeiro trimestre durante o resto do ano.

Um outlier notável, a Toyota garantiu vários meses de volume de semicondutores com antecedência e está confiante de que a produção não será afetada [18].

O que posso fazer para minimizar atrasos?

O mercado de semicondutores permanece fluído, afetado pela procura global e mudanças nas tendências em produtos eletrónicos [19]. Entretanto, os gestores de frota devem considerar o seguinte:

  • Planeie com antecedência - analise a aquisição de veículos para este ano e reavalie o cronograma habitual. Fale com o seu gestor de conta da LeasePlan sobre o seu ciclo de substituição 2021 para nos permitir atender às suas necessidades conforme a situação se desenvolve. Os fabricantes aconselham-nos a receber os pedidos com mais antecedência.

  • Considere alternativas - pode haver desafios em obter alguns modelos, versões ou equipamentos. Existem outros veículos que correspondem às suas necessidades?

  • Peça com antecedência - alguns fabricantes de automóveis estão a prioritizar os clientes de frota, mas assuma que os prazos de entrega serão maiores do que o normal e faça o pedido com antecedência para mitigar atrasos.

Publicado a 4 de maio de 2021

4 de maio de 2021
Partilhar esta mensagem

Artigos relacionados

AutomóvelRenault em parceria com o INEM - Covid-1906 agosto 2020 - 1 min de leituraArrowRight
AutomóvelCovid-19: cuidados a ter com filtro de partículas diesel06 agosto 2020 - 2 min de leituraArrowRight
Gestão de frotasO futuro das frotas10 fevereiro 2020 - 7 min de leituraArrowRight