Reduzir a emissão de CO²: Por que e como?

14 de Dezembro de 2018

Além de ser benéfico para o nosso clima, a redução das emissões de CO2 também ajuda a reduzir o consumo de combustível e, portanto, reduz os custos para a sua empresa.

Não há como negar que as emissões de CO2 influenciam negativamente o clima da Terra. Nesse contexto, várias iniciativas foram lançadas para reduzir as emissões; a nível global, o Acordo de Paris sobre o Clima foi alcançado em dezembro de 2015, e na Europa existem metas ambiciosas que visam alcançar uma redução de 80% até 2050 (em comparação com 1990). Além disso, os avanços em energia renovável, veículos elétricos e tecnologia híbrida já estão ajudando a reduzir significativamente as emissões.

Por quê?
Além de ser benéfico para o nosso clima, a redução das emissões de CO2 também ajuda a reduzir o consumo de combustível e, portanto, reduz os custos para a sua empresa - que é um importante KPI para praticamente todos os gestores de frota! Além disso, ao subscrever um concurso público, a redução de CO2 aumentará a sua posição na Escada de Realização - dando à sua oferta um desconto fictício na quantia final e, consequentemente, uma maior probabilidade de sucesso.

Como?
Então, quais medidas você pode tomar para reduzir as emissões de CO2 em sua frota? O primeiro passo é reavaliar os seus critérios para atribuir carros da empresa e alterar a política de locação de acordo. para garantir que um carro da empresa seja atribuído apenas àqueles que realmente precisam de um para fins comerciais. Empregados que só fazem uso comercial de um veículo podem ser oferecidos um carro de piscina, ou encorajados a usar o transporte público. Em segundo lugar, para aqueles funcionários que ainda têm direito a um carro da empresa, você pode estimulá-los (ou mesmo obrigá-los) a escolher os veículos mais eficientes em termos de combustível. Nesse caso, nem sempre é sensato limitar a escolha a marcas de carros selecionadas (o que geralmente é uma decisão baseada em custos), pois isso pode potencialmente excluir modelos novos e mais econômicos de outras marcas no futuro. Uma maneira de garantir que seus funcionários escolham modelos com baixo consumo de combustível é incluir os custos de combustível em suas licenças. Mas lembre-se, estes devem ser preferencialmente calculados com base em situações práticas. Alternativamente, você pode limitar a escolha do veículo a modelos que tenham eficiência de combustível acima da média, ou seja, os rótulos de energia A ou B, ou aqueles que atendam aos seus próprios limites de emissão de CO2.

Vantagens e desvantagens
Ambas as opções têm vantagens e desvantagens. A abordagem do rótulo de energia é revisada automaticamente periodicamente e garante que os funcionários sempre escolham os modelos mais eficientes dentro de cada categoria de tamanho. Mas, como cada categoria é avaliada separadamente, ela ainda pode incluir modelos cujos níveis de emissão excedam seus próprios alvos. Enquanto isso, no lado positivo, a fixação de limites de CO2 garante um foco no nível de emissões reais (com base nos dados do fabricante) do veículo em questão. No entanto, não existe um enquadramento para reavaliação automática e, para oferecer uma escolha bem equilibrada de veículos por categoria, é necessário definir limites de CO2 separados para cada um, o que exige mais mão-de-obra. Portanto, você pode combinar esses dois métodos. Nesse caso, você se concentra em seus próprios limites de emissões, garantindo que apenas os modelos com maior eficiência energética sejam incluídos em cada categoria.

Tipos de combustível
Os tipos de combustível têm um impacto significativo no nível de emissões, por isso faz sentido oferecer veículos movidos a combustíveis alternativos. Permitir que os funcionários optem por veículos elétricos cheios, por exemplo, com emissões zero de carbono, ou um que funcione com gás natural (CNG), que reduz as emissões de CO2 em 20% comparado a um motor a gasolina e 15% comparado a um motor a diesel. O biogás (que tem a mesma composição do GNV mas é produzido pela fermentação da biomassa) alcança resultados ainda melhores. Embora o GLP seja um combustível mais limpo, ele caiu em desuso porque - entre outras razões - a maioria das garantias dos OEMs não o suporta mais. Por último, mas não menos importante, o hidrogênio também produz zero emissões de carbono, mas esta ainda não é uma opção viável para fins comerciais por causa de despesas e falta de estações de reabastecimento.

Comportamento do motorista
Além da escolha do tipo de veículo e combustível, os próprios motoristas desempenham um papel fundamental no nível real de emissões na prática. Como base para monitorar o desempenho, você pode coletar dados de consumo de combustível auxiliados por um esquema de cartão de combustível do motorista e / ou telemática. Para conscientizar os funcionários sobre o impacto de seu comportamento de condução no nível de emissões de CO2, compartilhe suas percepções com eles na forma de relatórios de consumo de combustível (on-line) ou painéis e organize sessões de treinamento para incentivar a condução com economia de combustível. Essas sessões podem incluir dicas como:

Sempre pergunte a si mesmo: "Eu realmente preciso fazer essa jornada?" Considere a possibilidade de trabalhar em casa e / ou organizar uma teleconferência
Evite transportar cargas desnecessárias ou não aerodinâmicas (o consumo de combustível pode aumentar em 4,7% por cada 100 kg extra)
Mantenha a pressão correta dos pneus e mude do inverno para os pneus de verão o mais rápido possível.
Resumindo, reduzindo o CO2

Leia também

24 de Junho de 2020

8 tecnologias que moldarão o futuro da mobilidade

O futuro está mais perto do que você pensa! Conheça as 8 inovações que irão moldar o futuro da mobilidade

17 de Junho de 2020

Mobilidade Corporativa através da Terceirização de Frotas

Saiba como facilitar a retomada do seu negócio pós quarentena do COVID-19 através da Terceirização de Frotas!

9 de Junho de 2020

De olho na embreagem

Como aumentar a vida útil do carro?!